Estamos Concientes e determinados de que só a diversidade dos seres vivos, constitui a "essência da vida" e de nossa energia ou força coletiva. Nosso objetivos são mudança! E isso estamos fazendo, com nossos projetos, idéias, e objetivo planetário comum de atuar local e globalmente - desenvolver sem devastar -, reconhecendo a importância da união, solidariedade, verdade, trabalho.
O sonhado desenvolvimento sustentável!
MENU
MAIS LIDOS
EVENTOS
Diretoria do IBF Eco Global
Personalidades
Parque Tecnológico Agroindustrial do Oeste
I Fórum de Planejamento de Cascavel/PR
SOS PLANETA TERRA
Amazônia possui um dos solos mais ricos do mundo, diz pesquisa - AmbienteBrasil - 20/02/06
Postado em 10/04/2006

 "O estudo das 'terras pretas' da Amazônia nos mostra como podemos restaurar solos degradados, triplicar os rendimentos das colheitas e, além disso, como podemos desenvolver tecnologias que previnam mudanças críticas no clima mundial", disse Johannes Lehmann, do Departamento de Ciências de Cultivos e Solos na Universidade de Cornell (Nova York).


Lehman, durante a reunião da associação em St. Louis, Missouri, disse que os cientistas têm um método para reproduzir este tipo de solo, conhecido como "terra preta" da Amazônia que, com seu alto conteúdo de carvão vegetal, ajuda a extrair enormes quantidades de dióxido de carbono da atmosfera terrestre.


Lehman é autor do livro "Terras pretas da Amazônia" publicado em 2003, que é o estudo mais amplo e profundo até agora sobre esse tipo de solo. Os primeiros estudos das "terras pretas" foram realizados em 1874 pelo professor também da Universidade de Cornell, Charles Hartt.


Segundo Lehman esse solo é resultado do trabalho de milhares de anos de povos indígenas que usavam o método de poda e carvoeiras, em lugar de poda e queima.                                                         Enquanto o método "poda e queima" usa fogos abertos que reduzem a biomassas a cinzas, o "queima e carvoeira" usa fogos de baixa intensidade e rescaldos cobertos com terra e palha, que excluem parcialmente o oxigênio.


Segundo Lehman, a "queima e carvoeira" capturam enormes quantidades de carbono durante milhares de anos e reduzem substancialmente as emissões de metano e óxido nitroso dos solos.    "O resultado é que é retido quase 50% do carbono da biomassas", acrescentou. "Com a retenção de enormes quantidades de carbono esta técnica constitui uma captura muito mais prolongada e significativa de dióxido de carbono atmosférico que qualquer outra opção, o que a torna uma ferramenta poderosa para mitigar a mudança climática". Lehmann e seus colaboradores calcularam que poderia ser reduzido cada ano até 12% das emissões de carbono produzidas pela atividade humana se fosse empregada a "poda e carvoeira", em lugar da "poda e queima".


A aplicação do conhecimento das "terras pretas" à forma contemporânea de lidar com os solos também poderia reduzir a poluição ambiental porque diminui as quantidades de adubos necessários para os cultivos, já que o carvão vegetal ajuda a reter o nitrogênio no solo, da mesma forma que altos níveis de fósforo, enxofre e matéria orgânica, acrescentou.


(Fonte: EFE / Folha Online)

ENQUETE
A Amazônia corre risco de extinção?
Sim
Não
Pouco
Nunca acabará
WEB RÁDIOS
ECO GALERIAS
Cascavel - por Sergio Sanderson
Ponte Molhada - Cascavel
ARQUIVO SOS
NASA earth observatory
ÁREA RESTRITA

Informe a senha para acesso

ENTRAR

 
1794710 visitas.

R.Amazonas, 477 A

Cascavel | São Cristóvão

gilnei@ibfecoglobal.org

<a href="http://www.pevermelho.art.br">Pé Vermelho Comunicação</a> PeVermelho.art.br Waldemar Lutinski Rafael Lutinski Luis Carlos de Brito desenvolvido por Pé Vermelho Comunicação